Artigos com ‘Crônicas curtas’

27
jan

Lente Macro

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 27 de janeiro de 2012,  em Crônicas

O corpo foi encontrado poucos minutos passados da meia noite. Uma barata, não identificada, em meio ao gramado da quadra. A primeira formiga que por ali chegou não soube apurar a causa mortis, mesmo após verificar em detalhes o corpo e observar a existência de um ferimento corto-contuso no ventre da vítima.

Apesar da prudência e dos cuidados investigativos naturalmente exigidos pela gravidade do caso, a formiga não se interessou por aguardar a polícia técnica e, com vistas a evitar o formigueiro concorrente, chamou suas amigas para iniciarem juntas o trabalho de remoção.

Em minutos, um silencioso cortejo fúnebre cruzava o gramado. Equilibrado no alto de cuidadosas operárias, o corpo era levado ao sepulcro final na entrada do formigueiro. Mas, anunciada com breves gotas, uma chuva torrencial lavou o caminho longo e tortuoso da coveiras do jardim. E onde antes era apenas grama, surgiram rios caudalosos e fendas abismais. O complexo trabalho de engenharia necessário para vencer os obstáculos passou a ser observado ao longe por um interessado roedor, cuja gula só foi afastada em virtude do gato errante, morador perene da região e chefe da quadra.

No entanto, o primeiro raio de sol despertou um bem-te-vi de seu recluso galho no primeiro andar da mangueira. Os olhos treinados avistaram a trilha de formigas carpideiras. E, antes que elas chegassem à proteção de seus escuros túneis, com uma revoada, dois passinhos e uma bicada, o corpo-troféu, voou carregado pelos ares, esvaziando todo os esforço da madrugada empenhado pelo forte corpo operário do formigueiro.

Durante o dia, as empregas, as estudantes uniformizadas, as estudantes não uniformizadas, os engravatados das autarquias, o zelador, os maconheiros vespertinos, a equipe de cortadores de grama, o pessoal da capoeira, o entregador de móveis atrasados, ninguém percebeu o movimento insignificante do gramado, todos afogados em seus pensamentos de grandeza, muito maiores que o universo inteiro.

Tags: , , , , , , , ,

16
jan

You know my name, look up my number

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 16 de janeiro de 2012,  em Crônicas

Houve uma época que este escriba passava longas tardes macias entre masmorras e dragões, brincando no que o mundo se acostumou a chamar de Role Playing Game. Mais do que a aventura vivida no universo imaginado do jogo, fascinava-me a criação dos personagens de tal forma que a coisa toda para mim tornou-se um grande catálogo telefônico, cheio de nomes e números, mas com muito pouca história.

À leitora imaginária não-nerd, explico como era feito o processo de divinamente gerar um personagem a partir do barro de idéias. Primeiro, era dado ao jogador um certo número de pontos, a serem distribuídos em atributos básicos. Força, destreza, inteligência e carisma, por exemplo. A idéia principal era esboçar alguma personalidade nestas características, evitando um psdbista equilíbrio de pontos. Você queria se transformar em um grande gênio? Gastasse lá uns bons pontos em inteligência. Ou a vontade era de um personagem com mais lábia que o Silvio Santos? Invista no carisma e vá convencer leão à dieta vegan.

Mas a coisa não termina aí, pois ainda falta o tempero. Com os pontinhos restantes, o personagem ganha algumas qualidades especiais. Facilidade para aprender idiomas, por exemplo, custa uns pontos, mas transforma o sujeito em um poliglota natural. Todavia, como o cobertor é curto, você deve querer acrescentar alguns defeitos à pessoa imaginada. Assim, coloca-lhe uns desvio de caráter que lhe dão um saldo de pontos, a serem usados em mais vantagens. Eu, por exemplo, adoro a teimosia de meus personagens, hábeis em encasquetar com uma mania até o fim da aventura. Mesmo problema, aliás, que lhes obrigava a tentar convencer todos sobre suas opiniões.

Fato é que sempre achei os personagens de RPG parecidos com os humanos. Vejo por aí que somos meio assim, cada um com um acréscimo de características, qualidades e defeitos, que ao fim, resultam em um somatório de pontos. Mas, se no RPG, todos possuíam um mesmo saldo formidável para gastar na distribuição, os humanos possuem cada uma quantidade reduzida de pontos. Assim, para múltiplas qualidades, surgem defeitos aqui e acolá. Claro, há quem seja capaz de apreciar Bergman e escalar o Everest, imparidade apaixonante de características, que merece ser logo registrada.

E, como o Estado Crônico é nada e um pouco de tudo ao mesmo tempo, arrisco-me a deixar aos doutos leitores um conselho daqueles de livro best-seller, para quem busca de realização pessoal, profissional, social, emocional e dinheiral. Descubra seu número. Os defeitos parecem menos pesados quando surgem como custo de outras habilidades. E, se no caminho prateleira de auto-ajuda, você tropeçar com uma pessoa que tenha exatamente seu número, não saia mais do lado dela. Mas não se esqueça de correr na ficha do personagem e acrescentar como bônus o item “sorte” a sua lista qualidades.

Tags: , , , , , , ,

6
jan

2012 descendo a ladeira

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 6 de janeiro de 2012,  em Crônicas

Então está aí o leitor imaginário, já no fim da primeira-semana-do-ano, portador orgulhoso de sua lista de planos para 2012, cheia de clichês, mas feita no capricho. Lá estão, com quadradinhos na frente para serem ticados conforme a tarefa for cumprida, os mais aspirados desejos do ano. Pagar a academia para não malhar, malhar a academia para não pagar, não pagar a academia para não malhar e, sendo esta a última hipótese, no insucesso das demais, pagar a academia para malhar. Ah! Mas, corpo são, mente sã. Assim, assoma-se às atividades físicas o plano de engrandecer-se intelectualmente. Planeja o leitor adicionar a seu já vasto cabedal literário uma série de leituras, todas aptas a iluminar o caminho da sabedoria.

Sorte de meu leitor imaginário, com seus planos prontos. Pois o escriba, assoberbado nessa coisa toda de viver, comer, trabalhar e ir ao zoológico no domingo dar pipoca aos macacos (não pode, mas eu o faço por respeito às referências musicais), ainda não teve uma mísera réstia de tempo para reduzir a termo todo os planos para o ano seguinte.

E assim vai que o ano, começado meio desplanejado, em neologismo impróprio, grifado de vermelho pelo editor de textos, seguirá em ritmo acelerado e, antes que se possa afirmar, com habitual tradição, que o ano-está-passando-rápido-demais, eu ficarei encalacrado entre os afazeres, sem poder determinar, com aquele sábio distanciamento temporal preventivo, quais serão minhas próximas atitudes.

Assim, as coisas mais simples e modorrentas se misturarão com as mais complicadas e maneirosas. Colocarei nos planos viajar para o Nepal, mas não sem antes consertar a torneira do banheiro, cujo gotejar sem fim me faz engolir um nó de culpa todas as vezes que alguém alarma o fim dos mananciais de água doce no mundo. Tentarei salvar a Mata Atlântica, mas antes preciso lembrar de responder todos as mensagens dos leitores do Estado Crônico (infelizmente poucos, razão pela qual a tarefa não deveria ser absorvida pela falta de tempo).

E no campo literário a bagunça se fará melhor e maior. Grande Sertão Veredas aguardará sua vez de leitura. Todo satisfeito, abrirá seus bracinhos de papel em pedido de colo num sofá confortável, na tarde preguiçosa de um sábado que não existe. Nonada. Casa Grande & Senzala finalmente desempacará da fila ou persistirá em sua situação de melhor livro ainda não lido? E, finalmente, os, até agora 5, tijolos de Crônicas de Fogo e Gelo ainda pretendem ter uma chance, mais pelo burburinho do que pela vontade do cronista.

E com tudo, last but not least, para não deixar o leitor apreensivo e irritado com o anglicanismo bobinho, há sempre o plano de manter o Estado Crônico atualizado como um periódico eletrônico de fofoca de celebridades, com mais posts do que lista de discussão sobre política e um estoque de crônicas que faria de Nelson Rodrigues um invejoso escrivinhador. É bastante coisa. Tudo bem bagunçado e sem prioridades. Na mistura, viram os planos e metas meros pactos de diretrizes, repletos de contradições. E se o leitor goza da felicidade de uma listinha de fim de ano, o cronista prosseguirá no dia a dia, a vida de improviso, com quem atravessa a rua fora da faixa para pegar o ônibus de portas quase fechando.

Tags: , , , , , , ,

30
dez

Pergunta indiscreta

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 30 de dezembro de 2011,  em Crônicas

Não tenho bem certeza sobre quem percebeu o grau de periculosidade da curiosidade felina, capaz de eliminar suas sete vidas em uma única tacada, e cunhou o adágio. Fato é que, se a curiosidade felina é fatal, perde em muito para a humana, pelo menos no grau de indiscrição.

Antes que o leitor imaginário se confunda, digo logo que não trato aqui daquela curiosidade tão válida para o desenvolvimento humano. A mesma responsável por ter colocado o homem na Lua só para buscar umas pedrinhas ou por ter impulsionado as velas de Colombo até os costados de uma suposta Índia. Falo de uma curiosidade que se transmuta em um misto de intimidade e mesquinharia, sem a mínima razão aparente.

Estranhamente, as perguntas inexplicáveis crescem em número nestas épocas de festividades. Você viu o sujeito duas vezes na vida. Uma de relance no elevador, outra com breve aceno na garagem. Fosse em qualquer época do ano mais modorrenta, o terceiro encontro seria apenas um cumprimento de cabeças, Pois, nesta época a conversa logo se inicia com um “E aí, onde vai passar o Reveillon?”. E parasse aí, tudo estaria bem. Mas o papo, como qualquer outro, pode evoluir sempre para ponderações mais íntimas a cada frase. No fim, após explicar porque a sogra também vai, junto com a prima distante de Leopoldina, duas pessoas cujo ódio recíproco é cultivado há anos, você ainda terá que justificar a absurda escolha de uma pousada em Caraguatatuba, a 17 quilômetros da praia, com 22 lances de escada até o quarto.

Como o cronista é sujeito de boa vontade, põe fé que a alteração no comportamento seja algum fruto dos ventos de otimismo que sopram nesta época e inspiram a comunidade a viver em alguma espécie de fraternidade forçada. Assim, a pergunta, que outrora seria pura intromissão na vida alheia, é vista como óleo para azeitar a máquina do convívio humano e tornar a coisa toda mais colorida.

Todavia, por mais que cheio de boas inspirações o cronista seja, não há como negar que, muitas vezes, a curiosidade ultrapassa, muitas vezes, o bom senso humano. Ao fim, só me resta, na minha cabeça prática, questionar para quê fazer uma pergunta se não há interesse na resposta. Assim, deixo a curiosidade para os gatos, que se enfiam o focinho onde não são chamados, ao menos têm narizes vermelhos e bonitinhos.

P.S.: Peço desculpas pela falta de periodicidade dos últimos textos. Mas a redação do Estado Crônico mudou de sede e ainda estou a arrumar papéis e rascunhos. Até ano que vem!

Tags: , , , , ,

25
nov

No meu tempo

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 25 de novembro de 2011,  em Crônicas

Albert Ank avô conta história 1884Creio que ainda não tenha relatado aos leitores imaginários sobre meus, também imaginários, futuros netos. São todos bonitos, inteligentes e fofos, pois saíram ao avô, que guarda tais características em abundância. Sentam-se habitualmente ao meu redor e escutam, atentos e maravilhados, histórias sobre um longínquo tempo, do qual eu sou uma das poucas testemunhas vivas.

Enganam-se vocês ao prever, como eu fiz, que o maior espanto vem no momento que conto sobre a época quando não havia as Internets. A primeira vez que fiz tal relato, eles balançaram as cabecinhas, com aquela cara de “jáseijásei”, como quem escuta uma conversa tão repetida que já se transformou em uma alegoria de si mesma.

Eles, por mais inusitado que pareça, gostam de ouvir sobre os hábitos que existiam e desapareceram com o tempo. Falo, por exemplo, sobre como fui criado lendo jornais, entregues diariamente em minha casa por um sujeito de motorcicleta. No atraso do exemplar matinal, eu telefonava (algo que precisou ser esclarecido) para reclamar. Quando explico que o hábito da leitura dos periódicos me inspirou a, anos depois, ter um site de crônicas, eles acham incrível. Pedem para ler os textos e se divertem com alguns. Não entendem, por exemplo, porque eu falei sobre um cara chamado Steve Jobs, tampouco o porque de tantos textos sobre coisas passageiras.

Mas são os escritos mais simples que lhes encantam. Gostam dos textos sobre pessoas que vejo por aí no metrô e no parque. Tentam entender porque me preocupei tanto um tempo sobre a tristeza e felicidade. A neta que mais saiu à avó, quieta de olhos vivos, pergunta qual é meu tempero predileto. Eu digo que não são os temperos que me encantam, mas seu aroma, sabor e energia.

Uma das boas vantagens de viver em um mundo que muda tão rápido é acumular histórias para meus futuros netos. Mas eles não querem saber sobre como foi a vitória na Copa de 2014 ou sobre como funcionavam as impressoras matriciais. Vivem no varejo, em busca de histórias que lhes expliquem quem são. No máximo perguntam onde eu estava quando o mundo acabou e recomeçou.

São meio estranhos esses meus netos.

Tags: , , ,

18
nov

No Parque

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 18 de novembro de 2011,  em Crônicas

pipaTalvez quem veja Alberto no Parque Vila Lobos enxergue uma pessoa solitária. Ou, talvez não enxergue ninguém em especial. Agachado, nos fones de ouvido Fool on the Hill, nas mãos sua câmera por companhia, a única aproximação do tumulto das brincadeiras infantis é pela objetiva. Um olho semi-serrado. O outro captura cenas mudas, cujo som perde-se na distância.

Pensa, seriamente, em abordar a dupla de pai e filho que, ao longe, tenta empinar uma pipa. Mas a interrupção arruinaria a fotografia, que está composta em sua cabeça muito antes da cena acontecer. Assim, o sigilo faz parte de sua arte, que registra o mundo sem o peso do olhar.

Enfim, o pai, com o carretel na mão, fica em primeiro plano, no lado esquerdo do quadro. A linha traça uma diagonal até o ponto de fuga, onde o menino segura a pipa no alto. Na ponta dos pés, o garoto estica o corpo ao máximo, como se os centímetros a mais de sua elasticidade fosse a diferença entre uma decolagem mal sucedida e um vôo perfeito do brinquedo.

A imagem não dura um segundo e logo a pipa sobe. Alberto consegue registrar o quadro perfeito, (f5, 1/500s, ISO 100, 120mm). O vento ajuda a todos e lança uma pequena brisa. Suficiente apenas para mover a rabiola e os cabelos da criança na hora do disparo e lançar a pipa em seu vôo.

Como disse, há quem diga que Alberto é um sujeito solitário, com sua mania de ser mero expectador do mundo. Em verdade, para afastar essa impressão, seria necessário se aproximar de Alberto e conhecer a multiplicidade de mundos registrados nas cenas guardadas pelo olhar silencioso da objetiva. Mas, para tanto, há que se vencer muitas barreiras e, antes de qualquer sucesso, Alberto já teria guardado seu equipamento e abandonado o parque.

Tags: , , , ,

11
nov

Conto de Fadas

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 11 de novembro de 2011,  em Crônicas

fada tristeNinguém, em rápida análise, tem dúvida do que seja um conto de fadas. Princesa encontra príncipe, normalmente na forma de algum animal nojento. A bruxa, movida por algum sentimento vil, tenta de alguma forma acabar com a alegria dos dois. Uma fada, de coloridas asas semi-transparentes, utiliza a varinha de condão para dar uma ajuda ao casal. Por fim, a bruxa se estrepa e vira uma poça de matéria orgânica derretida, pois parece ser este o destinho reservado às bruxas, e a vida segue no “felizes para sempre”.

Com alguma mudança na ordem dos acontecimentos e inversão de personagens, assim se passa um bom conto de fadas. Coisa que parece simples. Tão simples que o sonho de quase todo mundo é viver um, mudando, no máximo, “felizes para sempre” em “até que a morte os separe”. Tanto melhor se a bruxa pegar leve na história e evitar areia nos olhos e soco abaixo da cintura, tornando a vida dos pombinhos mais fácil.

Paradoxalmente, todavia, certos conceitos são bem mais difíceis de serem entendidos quando dissecados para a compreensão. Pois, veja-se que alguns contos de fadas são coisas mesmo estranhas. Chapeuzinho Vermelho, por exemplo, caminha pelo bosque bem sozinha para encontrar a vovozinha e, até onde consta, não usa chapéu, mas sim um capuz vermelho. Já Cinderela era a infeliz proprietária do pé mais disforme de todo o reino, pois seu sapato não servia em rigorosamente mais ninguém do lugar. Aliás, o trabalho do seu príncipe, de ir de pé em pé a todas donzelas do vilarejo, seria facilmente simplificado por uma consulta ao sapateiro do lugar, cuja memória dificilmente ignoraria tão exótico membro.

Mas os mais estranhos, de longe, são os contos de fadas sem fadas. João e o Pé de Feijão, João e Maria, A Bela e a Fera e a própria Chapeuzinho Vermelho. Todos contos de fadas privados daquela que é, em tese, a dona da história. Mas, então diga a prezada leitora imaginária, grande conhecedora dos mistérios narrativos, onde está a magia de uma história sem fadas? Abundam bruxas, caldeirões ferventes, gigantes enraivecidos e lobos de olhos grandes e nós aqui, por nós mesmos, sempre a caça de soluções mundanas? Para mim, não dá.

Assim, doravante, sou defensor pela reserva de mercado para as fadas nas narrativas mágicas. Basta de histórias com caçadores disfarçados de salvadores de donzelas. Ou do realismo exagerado de lançar velhinhas no forno quente. Sei, claro, que as fadas não precisam do meu esforço, pois sabem resolver seus problemas sozinhas. Ainda assim, insisto que as histórias cheias de felicidades, arco-íris e potes de ouro são exclusividade delas, com seu vôo leve, impulsionado por asas de borboleta.

Tags: , , , , , , ,

27
out

Realidade imaginada

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 27 de outubro de 2011,  em Crônicas

Alice caindo“Reality leaves a lot to the imagination.”

John Lennon

Segundo nos conta Sir Arthur Conan Doyle, Sherlock Holmes residia no número 221B, da Baker Street, localizada na elegante zona londrina do West End. O local tornou-se tão famoso que, quando, em 1930, a Abbey Road Building Society passou a ocupar o endereço, começou a receber inúmeras correspondência direcionadas ao detetive.

Todavia, dificilmente os remetentes receberam suas respostas, em razão de um pequeno problema. Como bem sabem os leitores, Sherlock Holmes jamais existiu, da mesma forma que o endereço só foi criado quando a Baker Street foi renumerada. Até então, a realidade inteira de Sherlock cabia dentro da cabeça de Conan Doyle e seus leitores.

E desafio a atirar a primeira pedra o leitor que nunca fez uma confusão como esta, colocando do lado de cá do espelho mundos imaginários. Acho, na verdade, cada dia mais difícil separar uma coisa de outra. Não consigo estabelecer, com certeza, se as políticas da Rainha Vermelha que mora no buraco do coelho são menos ou mais importantes do que os últimos acontecimentos de Brasília. Tenho por certa, no entanto, a minha incapacidade de influenciar em qualquer um dos dois.

Diferente não é quando olho para o passado. Vejo se misturarem as histórias de Ricardo Coração de Leão e Robin Hood, sem que eu possa diferenciar quando começa ou termina a lenda. Da mesma forma, o que separa a Escalibur da espada que degolou Ana Bolenha?

Mas há quem consiga perceber que existe a realidade e a ficção como coisas distintas. Confesso, todavia, que desconfio destes convictos São Tomés, que só enxergam o que seus olhos lhes mostram. Porque, entre um lado e outro existe um universo colorido, onde na não há diferença entre a pílula azul ou vermelha. Enfim, amo quem se enovela em suas próprias histórias e entende que, de real mesmo, o mundo só tem nossa imaginação.

Tags: , , , ,

19
out

Chega de Saudade

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 19 de outubro de 2011,  em Crônicas

Chagall PromenadeSegundo descobri recentemente, os esquimós têm mais de quarenta palavras para conceituar a neve. Pudera, eles têm bastante neve para trabalhar. Neve no chão, neve de fazer casa, neve de derreter e beber, neve de brincar e neve de fazer boneco de neve. Assim, pode parecer estranho o fato de ser o português a única língua que possui uma palavra para definir, com precisão, a saudade.

Mas, se eu encontro o danado que inventou a palavra, pego ele! Porque o sujeito criou uma coisa sem a qual, até aquele momento, todos conseguiam viver.

Basta ver que os grandes cientistas, enluvados em jalecos brancos, afirma ser a saudade um sentimento muito difícil de ser encontrado na natureza em estado puro. Normalmente, vem acompanhada de uma série outras impurezas que a contaminam e tornam sua apreciação quase impossível.

Veja-se, por exemplo, a saudade de quem já partiu para sempre. Impossível ser um sentimento puro, pois está misturada com tristeza e dor. Tampouco a nostalgia pode ser colocada simples saudade, pois, como informa a etimologia, é oriunda da junção das palavras gregas nostos (regresso) e algos (dor). Portanto, é, no máximo, uma saudade projetada ao passado, temperada, talvez, com uma decepção com o presente.

Assim, segundo apurou o cronista, em entrevista com os mais doutos cientistas dos sentimentos, apenas os mais vigorosos emocionalmente estão realmente aptos a sentir saudade pura e simples. Saudade que surge não de solidão ou insegurança, mas de simples ausência, temporária ou não. Como uma comichão pelo futuro, com a qual você até se acostuma, mas nunca pára de coçar.

Sorte daquele que é capaz de sentir pura saudade. Azar daquele que a sente.

Tags: , , , , ,

14
out

De mau com o tempo

   Postado por Carlos Goettenauer na data de 14 de outubro de 2011,  em Crônicas

Relógio estragadoBriguei com o tempo. Estamos de relações cortadas até última ordem, mas, creio, nosso rompimento será definitivo. A bem da verdade, nossa relação não foi das mais harmoniosas, como podia parecer a quem olhasse de fora a vida deste cronista (atenção especial à etimologia da palavra!). Mas, diante dos últimos acontecimentos, parti para uma solução radical. Não converso mais com o pai tempo.

Não se engane o leitor imaginário, com idéias de que se trata de mais um daqueles pequenos desentendimentos, típicos de relacionamentos longos, como o que tivemos nos últimos trinta anos. Não é uma briguinha como quando ficamos preso no trânsito e o tempo até a hora do vôo parece passar rápido como nunca. Coisa esquecida logo quando se senta na cadeira do avião.

Infelizmente, nossa briga foi mais grave. E, em como todo desentendimento, a culpa foi não foi minha. Pois, estive sempre acostumado a uma passagem do tempo em um ritmo, que se era tão lento como eu gostaria, tampouco era uma flecha que transforma o mundo em um borrão.

Mas então, confiando na constância do tempo, coloquei-me a esperar um grande acontecimento. Nada demais, três semanas e já estaria tudo resolvido. Sentei-me confortável no sofá, abri um livro, virei para o lado, mirei forte os olhos do pai tempo e disse-lhe, “faz seu trabalho daí, que eu fico quietinho por aqui”. Ah! Mas, como um cachorro que sente seu medo, ele percebeu a ansiedade no meu sorriso disfarçado. E desde então, passou da maneira mais devagar possível. Melhor, estancou, por pura provocação. Minutos arrastam-se pesados, horas viram dias e semanas, meus caros, são tão grandes que cabem dentro de si mesmas. Qualquer atividade que, antes, tomava horas, subitamente agora parece se completar em um instante, só para me deixar com cara de bobo entendiado.

Então, pergunto aos meus leitores imaginários. Que fazer diante de tamanha malícia do tempo? Briguei, feito criança mimada. Não converso, não mando bilhetinho e, se ele ligar me procurando para fazer as pazes, não atendo. Agora quero que o tempo viva na dele, passe no ritmo que bem entender e vá atazanar a vida de outro. Mas claro, sei que provavelmente terei que, cedo ou tarde, me reconciliar. Afinal, o grande mistério de uma vida feliz passar por fazer durar lento o tempo de um beijo e acelerar a sua passagem na fila do banco.

Tags: , , , , ,